Sensibilidade ao glúten não celíaca

Trigo, arroz e milho são os grãos mais consumidos em todo o mundo. Esses produtos são ricas fontes de amido – o componente básico da dieta para a crescente população humana. O trigo contém glúten. Em 1953, Dickie, van de Kamer e Weyers publicaram um estudo confirmando a má absorção após o consumo de trigo em pacientes com doença celíaca (DC). Hoje em dia, a ingestão de glúten é considerada o desencadeador de distúrbios relacionados ao glúten.

O termo “intolerância ao glúten” inclui três condições diferentes: DC, alergia ao trigo e sensibilidade ao glúten não celíaca (non celiac gluten sensibility – NCGS). Hoje em dia, uma dieta sem glúten está na moda e é promovida por muitas celebridades. Muitas pessoas se submetem a esse método e, apesar da falta de sintomas, tentam rejeitar o glúten porque acreditam que pode prejudicar sua saúde.

NCGS é uma síndrome clínica caracterizada por sintomas intestinais e extraintestinais, que respondem à retirada do glúten (trigo) da dieta. Os mecanismos pelos quais o glúten induz os sintomas no NCGS são amplamente desconhecidos, mas sua diferença em relação aos presentes na DC e na alergia ao trigo não está totalmente clara. Embora os dados sejam escassos e conflitantes, pode-se hipotetizar que um processo multifatorial está na base do início sintomático do NCGS. O envolvimento do sistema imunológico inato, um efeito citotóxico direto do glúten e da gliadina e o envolvimento de diferentes órgãos-alvo e outros componentes protéicos do trigo podem estar todos implicados.

Apesar de se tornar um diagnóstico mais comum, atualmente há uma escassez de informações sobre o NCGS, principalmente em relação à sua real prevalência na população em geral. Essa falta de informação reflete a decisão de muitos pacientes de iniciar a dieta isenta de glúten após o autodiagnóstico, sem qualquer teste clínico formal ou recomendação de manejo por seu médico. Como resultado dessa ambigüidade, a prevalência de NCGS foi relatada como variando enormemente de 0,6% – 6% nas populações ocidentais.

Os indivíduos com NCGS afirmam uma variedade de sintomas intestinais e/ou extra-intestinais, semelhantes aos que ocorrem em pacientes afetados por doença celíaca ou doença inflamatória intestinal. Os sintomas ocorrem após a ingestão de glúten; eles melhoram / desaparecem quando o glúten é retirado da dieta ou reaparecem dentro de algumas horas ou dias com o desafio de glúten. Em uma recente pesquisa prospectiva multicêntrica italiana de 486 indivíduos com benefício sintomático de uma dieta sem glúten (62% desses indivíduos foram submetidos à biópsia intestinal para excluir DC), a grande maioria dos pacientes relatou mais de dois sintomas gastrointestinais ou extraintestinais associados. Os sintomas intestinais mais frequentes (> 80%) foram inchaço e dor abdominal, enquanto mais de 50% dos pacientes relataram diarreia, 27% hábitos intestinais alternados e 24% constipação. Além disso, a dor epigástrica foi frequente e acompanhada, com prevalência decrescente, por náuseas, aerofagia, doença do refluxo gastroesofágico e estomatite aftosa. Neste estudo, como em muitos outros estudos sobre NCGS, sintomas extraintestinais sistêmicos estavam frequentemente presentes: cansaço, falta de bem-estar e sintomas neuropsiquiátricos, como dor de cabeça, ansiedade, “mente nebulosa”, dormência de braço / perna e depressão. Manifestações extra-intestinais adicionais foram relatadas: dores musculares ou articulares, perda de peso, dermatite e erupção cutânea. Além disso, há relatos de que o NCGS é mais comum em famílias com histórico de DC.

O principal problema do NCGS é a ausência de um conjunto de critérios diagnósticos padronizados. O quadro clínico do NCGS parece muito inespecífico. Embora algumas manifestações alérgicas (urticária, asma, edema labial, etc..) sugerem fortemente a presença de um distúrbio mediado por IgE, a presença de desconforto abdominal, distúrbios de evacuação, mente nebulosa, fadiga crônica e manifestações cutâneas inespecíficas não ajudam os médicos em nenhum diagnóstico diferencial. Dessa forma, quando há suspeita de NCGS, o primeiro passo é representado pela exclusão de outras doenças, principalmente DC e alergia ao trigo. A negatividade sorológica para anticorpos IgA anti-transglutaminase e anti-componente IgE do trigo e / ou a ausência de atrofia duodenal na histologia duodenal e reação cutânea durante o teste de puntura são pré-requisitos necessários. Após a exclusão de outras doenças, o próximo passo é retirar o glúten da dieta por um período de seis semanas e observar a resposta aos sintomas. Resumidamente, a terceira etapa é a reintrodução do glúten e observação. Não tão simples assim, nessas etapas existem escalas e taxas de repostas necessárias para se obter ou excluir o diagnóstico de NCGS.

Após o diagnóstico, atualmente, a gestão do NCGS envolve uma abordagem multidisciplinar.

 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6630947/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4507091/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5677194/